Mercado

GESTOR PREVÊ IBOVESPA EM ATÉ  270.000 PONTOS EM DÓLARES, ENTENDA

GESTOR PREVÊ IBOVESPA EM ATÉ 270.000 PONTOS EM DÓLARES, ENTENDA

2 minutos Gestor prevê Ibovespa em até 270.000 pontos. Em dólares Para Henrique Bredda, sócio e gestor da empresa de investimentos Alaska, a maioria dos investidores está apavorada e perdendo oportunidade de compra O Brasil está iniciando uma trajetória de recuperação que deve continuar, independentemente de quem for eleito presidente. O próximo ciclo econômico será favorável ao país, o que pode levar o Ibovespa a ficar entre 135.000 e 270.000 pontos, em dólares, num período de quatro a seis anos. O índice fechou em Continue lendo

DE ZERO A 100 MILHÕES DE DÓLARES | MARCELO VEIGA

DE ZERO A 100 MILHÕES DE DÓLARES | MARCELO VEIGA

3 minutos DE ZERO A 100 MILHÕES DE DOLLARES Pessoal, eu venho convidar, com exclusividade, apenas aos participantes do meu curso, Como Enriquecer Na Bolsa Americana, a estarem comigo, no evento anual do Como Enriquecer em Boca Raton, na Flórida, cujo o tema é, Como Ir do Zero aos 100 milhões de dólares, empreendendo e, investindo nas bolsas de valores mundiais. Muitas coisas, eu tenho aprendido com os Estados Unidos da América e a principal delas, tem sido informação. No campo da Educação Financeira, Continue lendo

Gradual – Mais uma corretora pequena quebra no mercado

Gradual – Mais uma corretora pequena quebra no mercado

1 minuto A corretora está sendo alvo de investigações da Polícia Federal no âmbito da Operação Encilhamento. A Gradual Investimentos anunciou nesta segunda-feira (14) o encerramento de suas atividades de Bolsa. Até a publicação desta matéria a corretora não havia informado se outras operações também foram descontinuadas – além da área de corretagem de ações, a Gradual também atua com Wealth Management (gestão de fortunas), Câmbio, Administração e Custódia de Fundos de Investimento e Emissão e Escrituração de ativos financeiros. Marcelo Veiga, jornalista, bacharel em direito, Continue lendo

BOLSA DE VALORES AMERICANA

BOLSA DE VALORES AMERICANA

2 minutos O mercado norte americano Muitos empresarios e investidores tem buscado formas de se investir fora de seus países e logo pensam nos Estados Unidos. Este país, hoje formado por uma multidão de estrangeiros de toda parte do mundo, tem sido a décadas, um espelho para o mundo, um sonho não apenas de consumo, mas de ideal de democracia, de economia, de futuro mais promissor em todos os sentidos. Em quase todos os paises de dito terceiro mundo, e mesmo em alguns paises Continue lendo

Os Robôs Financeiros de Wall Street

Os Robôs Financeiros de Wall Street

2 minutos VÍdeo: Guiainvest Robôs Financeiros – Os investidores não são os únicos culpados pelas crises financeiras. Parte da responsabilidade cabe a outro grupo, que pouca gente conhece: os robôs de Wall Street. É isso mesmo. Os principais bancos e corretoras dos EUA entregaram seus investimentos a softwares de inteligência artificial, capazes de raciocinar e agir muito mais rápido que os investidores humanos, tudo para tentar levar vantagem no dia-a-dia do mercado. Segundo a consultoria especializada Aite Group, quase 40% de todas as negociações Continue lendo

Demissões na Empiricus fazem CEO e ex-funcionários lavarem roupa suja no Twitter

Demissões na Empiricus fazem CEO e ex-funcionários lavarem roupa suja no Twitter

6 minutos Fonte da notícia: BuzzFeedNews Empiricus – “Uma analista demitida acusou a Empiricus de pressioná-la para recomendar, contra a própria vontade, a compra de papéis de uma construtora. Empresa diz que alegações são inverídicas e CEO afirmou que demitidos se “vitimizam”. publicado 9 de Março de 2018, 2:19 p.m. Alexandre Aragão Repórter do BuzzFeed News, Brasil A Empiricus, empresa de análise de investimentos famosa por sua estratégia de marketing agressiva, demitiu nos últimos dias quatro de seus analistas mais conhecidos. Isso deu início a Continue lendo

Mesmo com a crise, lucro dos grandes bancos do País aumentou 21%

Mesmo com a crise, lucro dos grandes bancos do País aumentou 21%

menos de 1 minuto Lucro – Na coluna de hoje, o professor Gilson Schwartz fala sobre a lucratividade dos grandes bancos brasileiros. Os últimos dados revelam que, em 2017, os lucros aumentaram 21%. O seja, mesmo em meio à crise e com a queda da taxa de juros, a rentabilidade aumentou e os bancos tiveram resultado extraordinário. O professor esclarece que crédito público e crédito privado têm sido um dos focos das transformações que o governo Temer imprimiu na economia. Comparado ao grande salto Continue lendo

Deflação reforça aposta em corte na Selic e favorece a Bolsa de Valores

Deflação reforça aposta em corte na Selic e favorece a Bolsa de Valores

4 minutos Deflação – As surpresas favoráveis com a inflação no início do ano e a percepção de continuidade da recuperação gradual da economia estão levando a um aumento no mercado das apostas de que a Selic deve cair de 6,75% para 6,5% na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) deste mês. Na sexta-feira, 2, dados divulgados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) reforçaram a tese. Segundo a Fipe, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a taxa de inflação Continue lendo

BRASIL POSITIVO dispara no Novo Ciclo Econômico

BRASIL POSITIVO dispara no Novo Ciclo Econômico

1 minuto Brasil Positivo – De acordo com o economista Ricardo Amorim, o IBGE acabou de divulgar o PIB do ano passado. Apesar da corrupção e da crise política, o Brasil deixou para trás a mais profunda e longa depressão econômica da sua História e cresceu 2,5 mais do que mais de uma centena de economistas projetavam em média um ano antes, segundo o relatório Focus do Banco Central. 2017 começou com a delação do fim do mundo do Marcelo Odebrecht. Em maio tivemos, Continue lendo

2018 – A Hora e A Vez da Indústria Brasileira, Após Uma Década

2018 – A Hora e A Vez da Indústria Brasileira, Após Uma Década

1 minuto A Vez da Indústria – De acordo com o Economista Ricardo Amorim, no ano passado, não só tanto a indústria quanto o varejo se recuperaram, mas pela primeira vez em 14 anos, o desempenho da indústria foi melhor do que o do comércio. No último ciclo de expansão da economia brasileira, quando só havia incentivos para consumo, mas nenhum incentivo para a produção, a indústria ficava sistematicamente para trás. A desvalorização cambial e a queda de salários causadas pela crise econômica encareceram Continue lendo